quarta-feira, agosto 30, 2006

Primeira carta.

Mãe, você só me trouxe tristeza
As pessoas me usam
E você não faz nada para me proteger
Você deixou que me levassem a terra do nada
Agora é que você não vai me amar mesmo
Porque a menina se tornou puta demais
Eu sei que ando arrebentando a cabeça por aí em loucuras maiores
E isso te faz querer me apagar mais da sua mente
Você me esqueceu pelos seus sonhos
Muito nobre.
Mas eu precisei de você
E você não estava aqui para saber.
Mesmo se eu exorcizasse todos os fantasmas da minha vida
Minha madrasta, meu pai, todos os homem sem rosto.
Ainda assim você faria falta.
Quando eu quis falar com você minha voz se perdeu em um caminho sombrio
Num país distante
Com pessoas erradas
Mas mãe, você podia ao menos me escrever uma carta.

Gente, eu estava conversando com uma amiga e nossa brincadeira preferida é distorcer os fatos, esse poeminha (porque eu não sei de que outra forma posso chama-lo) é de uma menina filha de uma estilista, assim como uma Zuzu Angel que não liga para a filha..... é algo assim.

5 comentários:

gabriella disse...

zuzu angel?

eu entedi o "poeminha", mas essa sua
explicação eu não entendi.

tudo bem, a explicação só foi
um adicional, o importante é o
que está em cima.

Luke disse...

Nem tudo vira romance, afinal. E o mais triste é que esses fatos são ainda tão sutis pra um poeminha.
Como disse uma vez Clarice Lispector " O adulto é solitário e triste, a criança vive em suas fantasias"...
Virar adulto é sempre traumático e intragável, ainda mais quando se é adulto precoce.

emi disse...

distorcer os fatos é sempre muito divertido, mas esse aí foi forte,hein!

muito bom.

Samuel Pelegrini disse...

Intenso como a criadora, né, hunny?! ;)

Cheers!

Bjs!! Se ye!

rrrck!

Olano. disse...

O "poeminha" (!!!) acho que entendi também.