quinta-feira, junho 08, 2006

Coisa Linda


Dia que me lembrou alguma coisa, promessa de felicidade.
sentei na varanda, queria que a noite estivesse quente, queria estar no Rio...
queria o rapaz de calça branca de americano cru, ai a gente acende o cigarro e coloca um vinil velho do Caetano e pega outro pra ver, do Cazuza, é da minha mãe, ganhou de uma amiga. dedicatória:
Shel, pra você com carinho, Iô ... Quando a Ma estiver mocinha vai dizer: Pô mãe que cara é esse?
21/12/90
Cae me fala: coisa linda, é mais que uma idéia louca, ver te ao alcance da boca......
Vou comer bolo de cenoura, ai gente que vida a toa, que vida boa.... eu só queria que a noite estivesse quente........
A minha cidade é tão linda, tem um cheiro tão bom, não há no mundo lua tão perfeita quanto a de Contagem, nem na Bahia.
Há a Bahia.... eu queria estar na Bahia, sentindo calor e tomando sorvete, ai como eu amo fala nordestina, modo de fala táctil, eu amo os meninos do Rio, é uma pena, mas eu não consigo gostar de São Paulo, não fala ao meu coração.
minha mãe me conta do Rio, de como era a vida nos setenta lá... Baixo Leblon, hoje ela disse: eu tinha uma tristeza sabe? meu bikini foi feito com meio metro de tecido, eu não era tão magrinha quanto a minha amiga, o dela foi com quarenta centímetros....
Mas filha, esse negocio de querer ir pro Rio é que é provinciano

11 comentários:

doug [cyber_angel] disse...

voce realmente nao é desta época.
voce deveria ter nascido nos anos 50/60, pra poder ter vivido a epoca de 70, com todo aquele sentimento jovem de protesto, paz, amor e musica da época.

beijos e te cuida!

schön disse...

ah...eu demorei pra gostar de sp

assim como demorei pra gostar de musica brasileira.


acho que...a gente aprende.

Janet disse...

Pois é. e tem gente que daria tudo pra viver em São Paulo.

Fells disse...

Pois é, não eu.
não fala ao coração, a estoria não me comove. o Rio sim. há o Rio.

Nickyyy disse...

hasuhashhua! DUVIDO!

todo brasileiro quer ser paulista!
O.o

Até mesmo "CAE" fez uma musica belissima pra Paulicéia desvairada...

mas como o cara de cima disse, tempo faz as coisas mudarem.. daqui uns anos vc verá SP com outros olhos!

Bjx!
Nickyyy

Paranóia HydropônicA! disse...

...

gabriella disse...

são paulo me fala pouco ao coração, mas ainda fala.
o rio fala muito pouco também, ms
marca sua presença.
agora a bahia, desculpa mas falar
da bahia é muito difícil para mim.

eu sei que eu sou do mundo e adorei
seu texto.
adorei.

:*

Makely disse...

Coisa linda esse texto Maria! Sabe que uma vez um crítico italiano disse, comparando a bossa nova com o jazz, que este era vontade de potência, enquanto a bossa era promessa de felicidade.Mal comparando, acho que São Paulo é vontade de potência, no sentido de que é um solo de trompete poderoso mas ainda não consumou todas as suas possibilidades, enquanto o Rio é promessa de felicidade, aquela coisa bucólica e degradada do centro, os resquícios imperiais contrastando com a beleza da paisagem e a brutalidade do cotidiano, uma dissonância incômoda e bela no violão. Então São Paulo é Miles, com toda sua provinciana vontade de ser cosmopolita e o Rio é Tom, com todo seu cosmopolitismo saudoso da província. Eu, de minha parte, quero ganhar dinheiro em Sampa pra morar no Rio! Beijos

David disse...

Simples.
Não sei se te enchi um saco um vez rpa você vir pra cá(acho que sim).
Seria uma boa se você viesse nestas férias de julho.Tá, eu não posso te receber, mas creio que eu não sou seu único amigo carioca.
Ih, eu fiquei de ir até sua casa nas férias.
Como fica?

David disse...

Simples.
Não sei se te enchi um saco um vez rpa você vir pra cá(acho que sim).
Seria uma boa se você viesse nestas férias de julho.Tá, eu não posso te receber, mas creio que eu não sou seu único amigo carioca.
Ih, eu fiquei de ir até sua casa nas férias.
Como fica?

Capi disse...

Texto bonito, mistura imagens diversas, lembranças e desejos, quase visual. Gostei.
Prefiro esse a outros textos teus que tratam de violência e temas deprê. (Desculpa, sei que ninguém me perguntou nada. Mas estou com quase 40 e tenho filhos, às vezes me preocupa ver a juventude tão mergulhada em existencialismos; minhas músicas, pode reparar, quase todas alertam para isso).